Páginas

segunda-feira, 27 de maio de 2013

PREMIADAS DO I CONCURSO DE CERVEJA ARTESANAL DA CERVEJOTECA




A Cervejoteca, loja de cervejas especiais da Vila Mariana comandada pelo chef de cozinha, sommelier de cervejas, professor e consultor do ramo gastronômico, Ronaldo Rossi, realizou meses atrás o primeiro concurso de cerveja artesanal da loja. O estilo escolhido foi o escocês Strong Scotch Ale/Wee Heavy, onde cada cervejeiro caseiro teria que enviar de três a quatro unidades de sua cerveja, respeitando algumas regras que podiam ser verificadas no site do chef, como padronização de garrafas, rotulagem, etc. Avaliadas por júri especializado que se baseou no guia Diretrizes de Estilos do BJCP, os vencedores foram anunciados em abril. Dentre 41 inscritos e 37 amostras enviadas de todo o Brasil, os primeiros colocados foram:

1º lugar: Douglas Giacomini – Forth River
2º lugar: Ronaldo Dutra Ferreira – Bruxa Strong Scotch Ale
3º lugar: André Thales de Carvalho Simões

Menções honrosas:
Cazé Napier – Dizzy Walker
Luciano Silva – Cervejaria Noturna



O próximo concurso está marcado para acontecer no segundo semestre deste ano, dessa vez com dois estilos: Other Smoked Beer e Belgian Dubbel. Maiores informações serão divulgadas dentro em breve, mas de diferente do primeiro concurso, além da avaliação de dois estilos, a ideia será incluir também a participação de um júri popular, composto por consumidores não profissionais.

Consegui degustar a cerveja campeã e as que receberam a menção honrosa, cervejas de qualidade e que chegaram a final sem atingir as três primeiras colocações, mas que mereceram ser mencionadas.

Cervejaria Noturna


A Cervejaria Noturna, de São Paulo, começou suas atividades em fevereiro de 2012. Comandada pelo cervejeiro caseiro, Luciano M. da Silva, o nome escolhido para batizar a cervejaria vem do hábito das produções sempre ocorrerem no período noturno. Além de brassagens regulares a cada 20 dias, também vem promovendo cursos de produção de cerveja artesanal e já foram realizados dois até agora. O terceiro curso, que será pela segunda vez em parceria com a Bucci Beer, está com data marcada para acontecer no dia 22 de junho.

Flyer do próximo curso de produção de cerveja artesanal da Bucci Beer e Cervejaria Noturna


No final de 2012 bebi da Noturna a Green Dream, uma Imperial IPA bem lupulada e amarga como manda o estilo, mas ainda assim bem equilibrada com o dulçor dos maltes e que ainda levou dry hopping com lúpulos Cascade em flor. Outra boa cerveja foi a Neblina, bem próxima de uma autêntica Witbier belga. Já a parceria com as cervejarias Serra de Três Pontas (STP) e Prima Satt, rendeu além da Mameluca, uma Imperial IPA com adição de centeio, uma sociedade empresarial entre eles. A Micka’s foi a última produzida, uma Brown Ale que recebeu avelã e chips de carvalho na maturação, atualmente na fase de carbonatação. Ela faz parte de uma série de cervejas com adição de avelã (Brown Ale, Oak Brown Ale, Double Oak Brown Ale e Brown IPA).

Cervejas produzidas pela Cervejaria Noturna: Green Dream - Imperial/Double IPA - 7% ABV; Neblina - Witbier - 5% ABV; Mameluca (STP, Noturna e Prima Satt) - Imperial/Double IPA - 8% ABV; Micka's - Brown Ale - 7% ABV


A Wee Heavy da Noturna recebeu 6 tipos de maltes, 2 tipos de lúpulos, fermento Erdinburgh (ideal para o estilo) e demorou dois meses entre fermentação e maturação. Alguns problemas na produção deixaram o Luciano aflito com o resultado final, mas sua preocupação resultou numa cerveja de qualidade que poderia muito bem estar entre as primeiras colocadas do concurso:

Cor arroxeada a marrom escuro, goiabada cascão e fechada. Contra a luz mostrou reflexo avermelhado. Espuma bege, baixa criação, um dedo de espessura, retenção boa, queda lenta sem sujar os lados e uma fixa camada perene. Aroma com os maltes de carga média, moderada, extraiu nozes, avelãs, caramelo, calda queimada e tostado leve. Frutado dos ésteres e dos maltes, quase forte de goiabada e ameixa madura. Leve adstringência de bagas de uvas. Complexidade quando esquentou. Álcool presente e bem inserido trouxe frutas vermelhas. Leve doce de leite. Gosto começou com muito malte suculento. Dulçor bem inserido: caramelo, melaço, doce de leite e bala toffee. Doce de éster e álcool: frutas pretas e vermelhas. Figo, goiaba, ameixa, morango. Álcool esquentou, não repeliu, encorajou seguir. Leve madeira. Noz, castanha e avelã, fortes. Biscoito doce waffer. Adstringência residual, contida. Corpo médio a alto, não licoroso, mas pomposo e nutritivo. Carbonatação média a alta, borbulhante. Final doce e longo. Retrogosto alcoólico e limpo esterilizou a boca. Cerveja de personalidade. Equilibrou as forças dos maltes e álcool. As feras foram soltas das coleiras e domadas com maestria.

Noturna Wee Heavy - Strong Scotch Ale/Wee Heavy -  7,5% ABV


Outra cerveja que foi agraciada no concurso com a menção honrosa foi a Dizzy Rascal, do cervejeiro carioca Cazé Napier. Ele foi o ganhador ano passado do 1º lugar no Estilo Livre do concurso realizado pela ACervA Carioca no Festival Carioca da Cerveja Artesanal. Sua Blackoutstout, uma potente Russian Imperial Stout um pouco trabalhosa de fazer, já que depende de uma grande quantidade de insumos utilizados, além da longa maturação, resultou na melhor cerveja caseira que experimentei em 2012, digna de ter se consagrado como a campeã. Falei um pouco dela e do respectivo festival nessa postagem:


Blackoutstout - Russian Imperial Stout - 8,5% ABV
Foto: Cazé Napier


Como membro da ACervA sempre tenho o privilégio de provar as cervejas feitas pelo Cazé, que teve seu primeiro contato com o mundo cervejeiro quando morou nos Estados Unidos – ele também é cidadão americano – sendo a Samuel Adams sua porta de entrada. Apesar de ter acompanhado algumas brassagens por lá, só quando retornou ao Brasil, após fazer o curso com o Leonardo Botto, que começou a produzir suas cervejas. Ele geralmente brassa sozinho comandando a sua Cervejaria Feelingporra!!!, batizada com esse nome após seu emocionante e famoso discurso de premiação ano passado.

Para fazer a Dizzy Walker ele seguiu uma receita padrão de Wee Heavy usando como guia o BJCP. Adicionou lascas de carvalho embebidas em uísque Johnnie Walker e, nas suas próprias palavras: o resto foi feeling!

Cor marrom escuro e fechada. Reflexo vermelho contra a luz. Espuma média a baixa, levemente bronzeada, aerada e borbulhante (sonoramente também). Retenção média a baixa. Quando estagnou fixou meio dedo de espessura. Aroma complexo, mas com calma foi possível pincelar todas sensações. Mix de ésteres de frutas escuras e secas (ameixas e tâmaras), e de maltado de sementes comestíveis (nozes e avelãs). Abaixo dessa manta veio abacaxi e guaraná. Um nível mais abaixo, o lençol de caramelado suculento, sensível chocolate ao leite e névoa defumada de fumaça, tabaco. Complementar veio a madeira, baunilha e o fim alcoólico. Esquentou e ficou a secura de noz e algodão doce. Gosto frutado e torrado. Torra esfumaçada com frutas secas e pretas. Dulçor proeminente e fumaça presa na garganta, tragada. Álcool acompanhou, aqueceu como talagada de destilado. Dulçor pediu licença, o álcool ceifou. Adstringência e acidez residual. Sensação acre de sorver vinho do Porto. Complexidade no gosto. Tâmaras e passas, suculentas e vivas. Mais torrado esfumaçado. Do álcool, provavelmente, mais frutas, as vermelhas. Bombom com licor (?). Corpo alto, cheio e grosso, textura quase licorosa. Carbonatação baixa, pouco aparente. Final longo e alcoólico. Retrogosto de álcool quente, toque adstringente repuxou e esfumaçado finalizou. Wee Heavy para consumir com calma, acompanhando sua complexidade prazerosamente. Alcoólica, potente, agressiva e também charmosa, acalentadora, convidativa.

Dizzy Walker - Strong Scotch Ale/Wee Heavy -  11% ABV


O grande campeão Douglas Giacomini produz cervejas em casa desde o ano de 2011. Oficializou sua atividade como cervejaria no ano seguinte e somente há um mês atrás que a batizou de Cervejaria Brassada. Sua ideia atual é criar uma identidade visual e tão logo aparecer no mercado cervejeiro com suas produções. Só o fato de ter se sagrado campeão do concurso já será uma excelente propaganda para suas cervejas e fica aqui registrada a minha torcida para que também consiga um bom resultado no concurso do 8º Encontro Nacional das ACervAs, onde ele estará participando com 5 cervejas.

Cervejaria Brassada


Para criar a Forth River foram usados 8 tipos de maltes, 2 tipos de lúpulos e fermento Nottingham. Gostei muito do resultado, principalmente do bom equilíbrio que ela ficou. É uma cerveja forte, mas ao mesmo tempo fácil de beber sem ficar enjoativa devido um possível teor alcoólico e/ou dulçor exagerados:

Cor castanho escuro, mogno, fechada e poucos reflexos vermelhos na luz. Espuma bege, cremosa, criação média a alta, estável. Fixou um dedo de grossura. Aroma com malte em destaque. Extraiu dulçor de calda caramelada, doce de leite, açúcar de cana e rapadura no fim. Nenhum álcool. Amendoim torrado quando esquentou. Volatizou. Frutas vermelhas e silvestres deram sensação licorosa. Leve biscoito waffer no fim. Paladar com ésteres frutados de ameixas secas, passas e figos. Suco de uva. Após o caramelado e melaço, uma colcha macia de álcool presa na garganta, mas bem inserida valorizou o conjunto. Esquentou o corpo. Frutado mais álcool resultou em leve xarope e licor de cerejas. No fundo um pouco de nozes. Corpo cheio e pomposo, mas não pesado. Carbonatação média, pouco aparente. Wee Heavy frutada de dulçor equilibrado. Este foi seu tom, sem extremismos e fácil de encarar.


Forth River - Strong Scotch Ale/Wee Heavy -  7,5% ABV

Enquanto o segundo concurso da Cervejoteca não ocorre, vale lembrar do VIII Encontro Nacional das ACervAs, evento que ocorre anualmente sempre em rodízio pelas principais capitais do país. Em 2013 será realizado em Curitiba no período de 30 de maio a 1o. de junho. Dentro do evento serão premiadas as cervejas caseiras feitas pelos acervianos, dos seguintes estilos escolhidos: Saison, Robust Porter, Vienna Lager, American Amber Ale e Estilo Livre com ingrediente brasileiro. Até o momento quase 420 garrafas foram inscritas, garantia de muita cerveja boa feita na panela por todo o Brasil. Vamos acompanhar, prestigiar, beber e comemorar!

Flyer do VIII Encontro Nacional das ACervAs

2 comentários:

  1. Cara, que blog massa! Seguindo, certeza!
    Vamos trocar umas figurinhas cervejeiras!

    Dá uma checada lá no nosso?
    Lupulento:
    lupulento.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. obrigado. não conhecia seu blog, vou conferir.
    gostei do visual. grande abraço!

    ResponderExcluir