Páginas

quarta-feira, 29 de maio de 2013

BARES ANIVERSARIANTES: ELES COMEMORAM, NÓS AGRADECEMOS




A Melograno Forneria e Empório de Cervejas, localizada na Vila Madalena, possui de especial seus pratos e 15 opções de sanduíches preparados no fogão a lenha dos fundos da casa. Sua carta tem mais de 150 variedades de rótulos e das suas cinco torneiras saem alguns chopes nacionais, o irlandês Guinness e alguma exclusividade. Foi um dos primeiros estabelecimentos que recebeu uma cerveja elaborada especialmente para sua comemoração de aniversário. A cargo da Cervejaria Bamberg, de Votorantim/SP, a cerveja escolhida para homenagear um ano de funcionamento da casa - e também as entradas de ano novo - foi a Uno, uma Belgian Blond Ale criada no fim de 2009 que levava extrato de romã na receita. A fruta é o símbolo da casa - “melograno” significa romã em italiano - inclusive possuem um pé preservado no jardim dos fundos. Daí em diante todo ano foi lançada uma cerveja em homenagem ao seu aniversário e às festividades de ano-novo. As próximas criadas foram a Due, Dubbel que também levava adição de romã, a M3, India Pale Ale que não recebeu adição de romã e nem teve influencia na escola belga, mas na verdade uma autêntica IPA inglesa. Ambas também foram produzidas pela Bamberg.

Bamberg Uno - Belgian Blond Ale - 5,5% ABV; Bamberg Due - Belgian Dubbel -  6,5% ABV; Bamberg M3 - English IPA -  6% ABV


Em 2013 a quarta cerveja feita para homenagear o aniversário da forneria veio de outra cervejaria, da Colorado, de Ribeirão Preto/SP. Esta pegou a sua Ithaca pronta, uma Russian Imperial Stout que recebe edição de rapadura queimada, e a engarrafou após sofrer outra maturação em barris de uísque. Daí nasceu a Quattro, que possui a mesma receita da Ithaca que não possuía maturação em barril. A Due e a Quattro foram as únicas que tive oportunidade de provar. Embora não tenha anotado a avaliação da Due, lembro que era bem doce e frutada, fiel ao estilo, com discreto romã aparecendo de forma mais sugestionada. A Quattro teve um resultado melhor que a saudosista Ithaca, graças a maturação no barril que controlou seu alto dulçor. 

Cor preta e fechada. Lágrimas caíram. Espuma de formação sofrível, um dedo de camada, pouco cremosa, marrom, baixa estabilidade. Finalizou com fina película inerte. Aparência de cappuccino. Aroma de intenso café espresso e torrado. Chocolate amargo puro cacau, belga. Ésteres (uvas passas e ameixas secas) mais o chocolate viraram uma barra de chocolate. Maltes: toffee e biscoito doce waffer. Madeira resultou em baunilha (pouco) e coco queimado (mais). Esquentou e mais ésteres chegaram: frutas vermelhas mais o lácteo virou iogurte. Álcool bem inserido, mas desabrochou leve acetona, encoberta nas sensações. Paladar defumado/salgado: carne de porco e molho inglês. Esfumaçado de cinzas logo ceifado pelo caramelo queimado, toffee, biscoito waffer e rapadura, persistentes. Chocolate puro cacau, amargo, delicioso (belga?). Defumado voltou esfumaçado e salgado. Amargor torrado cresceu e picante do álcool bem inserido com menta, ervas e temperos.  Pegada belga de ésteres frutados (ameixas secas e uvas passas). A maturação do barril de uísque resultou na defumação. Álcool nada agressivo, textura refinada, benquista. Na boca foi um corpo cheio, grosso, aveludado e quase licoroso. Carbonatação média com borbulhas fugazes, repentinas. Final médio logo e muito doce. Retrogosto torrado impregnou. Harmonização com pratos salgados: embutidos ou feijoada. Sobremesa: chocolate belga.

Quattro - Russian Imperial Stout - 10,5% ABV


O Bar FrangÓ, localizado no bairro paulista da Freguesia do Ó, é um boteco de alma própria. Um dos mais tradicionais e antigos de São Paulo. Já foi frequentado por celebridades e grandes nomes da política brasileira. Com extensas premiações no currículo, só para citar o ano de 2012, ele foi eleito como a melhor carta, bar e serviço de cervejas em São Paulo pelas maiores publicações do país. Um boteco clássico, mas que possui quase 500 rótulos de cervejas e variedade de chopes jorrando de suas torneiras. Sua especialidade é a tradicional coxinha de frango com Catupiry. Servida em porções é o petisco mais encomendado do bar - eles também o vendem pronto pra quem quiser fritar em casa - e um dos mais famosos do Brasil. A cerveja criada para homenagear o bar harmoniza perfeitamente com seu famoso quitute.



A Cervejaria Colorado foi a responsável por criar no ano passado, em comemoração aos 25 anos da casa, a FrangÓ 25 Anos. Uma cerveja do estilo American Pale Ale criada especialmente para o bar e que não terá mais lotes produzidos pela cervejaria. Talvez algumas poucas unidades ainda possam ser encontradas na casa, mas o lúpulo fresco que essa cerveja evocava era seu diferencial e por isso mais jovem estava deliciosa. Posso atestar que foi a melhor American Pale Ale nacional que já provei:

Cor brilhante, âmbar, translúcida e com pequenas bolhas subindo. Espuma branca, leve bronzeado, formação média, aerada e alta estabilidade. Espiral de sujeiras ao redor da parede. Aroma trouxe boa lupulagem intensa, já evocada tão logo aberta a garrafa e nem despejada ainda no copo. Frescor de frutado cítrico: laranja, maracujá e grapefruit. Forte e picante resina de “pine” – na verdade em primeiro plano. Boa base maltada com tostado, panificação, pouco caramelo, tudo ao fundo.  Gosto agridoce. Doces de pão de mel e leve caramelo. Amargor seguinte, intenso, dominante, persistente até a golada final. Muita resina, herbáceo com gosto de capim, temperos, picante. Frutas cítricas menos intensas que no aroma. Atrás veio o leve tostado. Corpo médio de alta drinkability. Carbonatação forte, crocante que pinicou a língua. Fim muito seco e amargo. Retrogosto herbáceo e resinoso. Excelente homenagem ao tradicional bar paulistano. Acertaram a mão nessa que não deve em nada às americanas originais.

Colorado FrangÓ 25 Anos - American Pale Ale -  4,5% ABV


O Empório Alto dos Pinheiros é um bar que foi mudando conforme o tempo. Antes funcionando como uma rotisserie e mercearia, estas foram cedendo seu lugar à exclusividade das cervejas especiais. Hoje conta com uma carta com quase 600 rótulos de cervejas, 28 torneiras com alta rotatividade de chopes nacionais e importados e muitos preços a custo de loja/empório. O EAP, como é apelidado, é um dos bares cervejeiros mais prestigiados de São Paulo onde a maioria das novidades cervejeiras lançadas fazem lá o seu trampolim. Alguns rótulos e itens cervejeiros só são encontrados lá, quase exclusivos.



Seus cinco anos de vida foram comemorados esse ano no dia 12 de fevereiro. A responsável por elaborar sua cerveja-homenagem foi a mineira Wäls. A edição limitada desenvolvida exclusivamente para o EAP foi do estilo Amber Lager. Esta recebeu triplo dry hopping de lúpulo americano Zeus e possui bom amargor no conjunto (30,5 IBU). Assim como ocorreu com as demais cervejas dos outros bares homenageados, esta também é de venda exclusiva da loja.

Cor âmbar, brilhante e cristalina. Espuma branca de criação forçada, baixa. Início cremoso, sequência aerada. Boa retenção. Fixou um dedo de espessura e sujou os lados. Aroma iniciou com lupulagem floral, perfumada e fresca. Cítrico extraiu frutas tropicais: tangerina e casca de manga. Esquentou e trouxe calda de abacaxi. Malte apareceu quase limpo e sobressaiu pão/biscoito. Leve caramelado e tostado. Paladar frutado: manga; e cítrico: casca de laranja e limão. Floral delicado. Amargor médio e agradável. Persistente resinoso de “pine” cresceu quando esquentou e trouxe gengibre. Sensação verde pouco herbal. Maltes moderados com  panificação, palha e cereais. Leve caramelado, sugestionado toffee e pouco tostado. Corpo médio a baixo, quase leve. Carbonatação média. Final seco e pouco doce. Retrogosto amargo e bem resinoso. Boa Amber Lager, refrescante e saborosa. Lupulagem fresca tornou agradável a degustação.

Wäls EAP Aniversário 5 Anos - Amber Lager -  5% ABV


Todos os bares homenageadas foram paulistanos. Já a última contemplada é uma mineira e esta também será produzida pela Wäls. Também pudera, pois será o próprio bar da família dos irmãos proprietários da cervejaria. O Stadt Jever, pub tradicional de BH especializado em culinária alemã já completou suas 30 primaveras de vida e sua cerveja também já está pronta. Servida no último final de semana a prévia da cerveja pôde ser conferida on tap no bar e segundo seus criadores podemos esperar uma cerveja "preparada com método inovador *Wäls Hopping e com adição do novo lúpulo da Bavária chamado Mandarina! A cerveja do estilo Special Lager tem notas aromáticas de um cítrico muito envolvente, além de toques de pêssego e manga. O Sabor é carregado de carácteristicas maltadas e com frescor da flor de lúpulo em evidência! A produção desta cerveja é a realização de um sonho ! Neste ano o Stadt Jever completou 30 anos e este é o grande presente que preparamos para vocês aproveitarem!".

Wäls Stadt Jever - Special Lager/Amber Lager (?) - 5% ABV
Foto: Wäls - Cervejas Especiais


Curiosamente é o mesmo estilo estampado no rótulo da cerveja do EAP (Special Lager) e com a mesma lupulagem "jeito Wäls de ser", apesar de outra variedade de lúpulo. Resta aguardar o lançamento da garrafa para comparar as semelhanças.

Ter um bar especializado em cervejas agraciado com um rótulo que o represente, principalmente quando produzido especialmente por uma famosa cervejaria artesanal, deve ser muito gratificante. Mas o presente maior é ter sua cerveja bebida pelo consumidor final. Provando o líquido que representa seu bar preferido o freguês está idolatrando sua "segunda casa" e também recebendo o agradecimento pela frequência assídua, já que sem ele não existiria bar, não existiria cerveja. Já provar essa cerveja em casa funciona como uma forma de estender as dependências do bar para o seu aconchego, além de ser uma bela desculpa para prolongar a derradeira saideira.

segunda-feira, 27 de maio de 2013

PREMIADAS DO I CONCURSO DE CERVEJA ARTESANAL DA CERVEJOTECA




A Cervejoteca, loja de cervejas especiais da Vila Mariana comandada pelo chef de cozinha, sommelier de cervejas, professor e consultor do ramo gastronômico, Ronaldo Rossi, realizou meses atrás o primeiro concurso de cerveja artesanal da loja. O estilo escolhido foi o escocês Strong Scotch Ale/Wee Heavy, onde cada cervejeiro caseiro teria que enviar de três a quatro unidades de sua cerveja, respeitando algumas regras que podiam ser verificadas no site do chef, como padronização de garrafas, rotulagem, etc. Avaliadas por júri especializado que se baseou no guia Diretrizes de Estilos do BJCP, os vencedores foram anunciados em abril. Dentre 41 inscritos e 37 amostras enviadas de todo o Brasil, os primeiros colocados foram:

1º lugar: Douglas Giacomini – Forth River
2º lugar: Ronaldo Dutra Ferreira – Bruxa Strong Scotch Ale
3º lugar: André Thales de Carvalho Simões

Menções honrosas:
Cazé Napier – Dizzy Walker
Luciano Silva – Cervejaria Noturna



O próximo concurso está marcado para acontecer no segundo semestre deste ano, dessa vez com dois estilos: Other Smoked Beer e Belgian Dubbel. Maiores informações serão divulgadas dentro em breve, mas de diferente do primeiro concurso, além da avaliação de dois estilos, a ideia será incluir também a participação de um júri popular, composto por consumidores não profissionais.

Consegui degustar a cerveja campeã e as que receberam a menção honrosa, cervejas de qualidade e que chegaram a final sem atingir as três primeiras colocações, mas que mereceram ser mencionadas.

Cervejaria Noturna


A Cervejaria Noturna, de São Paulo, começou suas atividades em fevereiro de 2012. Comandada pelo cervejeiro caseiro, Luciano M. da Silva, o nome escolhido para batizar a cervejaria vem do hábito das produções sempre ocorrerem no período noturno. Além de brassagens regulares a cada 20 dias, também vem promovendo cursos de produção de cerveja artesanal e já foram realizados dois até agora. O terceiro curso, que será pela segunda vez em parceria com a Bucci Beer, está com data marcada para acontecer no dia 22 de junho.

Flyer do próximo curso de produção de cerveja artesanal da Bucci Beer e Cervejaria Noturna


No final de 2012 bebi da Noturna a Green Dream, uma Imperial IPA bem lupulada e amarga como manda o estilo, mas ainda assim bem equilibrada com o dulçor dos maltes e que ainda levou dry hopping com lúpulos Cascade em flor. Outra boa cerveja foi a Neblina, bem próxima de uma autêntica Witbier belga. Já a parceria com as cervejarias Serra de Três Pontas (STP) e Prima Satt, rendeu além da Mameluca, uma Imperial IPA com adição de centeio, uma sociedade empresarial entre eles. A Micka’s foi a última produzida, uma Brown Ale que recebeu avelã e chips de carvalho na maturação, atualmente na fase de carbonatação. Ela faz parte de uma série de cervejas com adição de avelã (Brown Ale, Oak Brown Ale, Double Oak Brown Ale e Brown IPA).

Cervejas produzidas pela Cervejaria Noturna: Green Dream - Imperial/Double IPA - 7% ABV; Neblina - Witbier - 5% ABV; Mameluca (STP, Noturna e Prima Satt) - Imperial/Double IPA - 8% ABV; Micka's - Brown Ale - 7% ABV


A Wee Heavy da Noturna recebeu 6 tipos de maltes, 2 tipos de lúpulos, fermento Erdinburgh (ideal para o estilo) e demorou dois meses entre fermentação e maturação. Alguns problemas na produção deixaram o Luciano aflito com o resultado final, mas sua preocupação resultou numa cerveja de qualidade que poderia muito bem estar entre as primeiras colocadas do concurso:

Cor arroxeada a marrom escuro, goiabada cascão e fechada. Contra a luz mostrou reflexo avermelhado. Espuma bege, baixa criação, um dedo de espessura, retenção boa, queda lenta sem sujar os lados e uma fixa camada perene. Aroma com os maltes de carga média, moderada, extraiu nozes, avelãs, caramelo, calda queimada e tostado leve. Frutado dos ésteres e dos maltes, quase forte de goiabada e ameixa madura. Leve adstringência de bagas de uvas. Complexidade quando esquentou. Álcool presente e bem inserido trouxe frutas vermelhas. Leve doce de leite. Gosto começou com muito malte suculento. Dulçor bem inserido: caramelo, melaço, doce de leite e bala toffee. Doce de éster e álcool: frutas pretas e vermelhas. Figo, goiaba, ameixa, morango. Álcool esquentou, não repeliu, encorajou seguir. Leve madeira. Noz, castanha e avelã, fortes. Biscoito doce waffer. Adstringência residual, contida. Corpo médio a alto, não licoroso, mas pomposo e nutritivo. Carbonatação média a alta, borbulhante. Final doce e longo. Retrogosto alcoólico e limpo esterilizou a boca. Cerveja de personalidade. Equilibrou as forças dos maltes e álcool. As feras foram soltas das coleiras e domadas com maestria.

Noturna Wee Heavy - Strong Scotch Ale/Wee Heavy -  7,5% ABV


Outra cerveja que foi agraciada no concurso com a menção honrosa foi a Dizzy Rascal, do cervejeiro carioca Cazé Napier. Ele foi o ganhador ano passado do 1º lugar no Estilo Livre do concurso realizado pela ACervA Carioca no Festival Carioca da Cerveja Artesanal. Sua Blackoutstout, uma potente Russian Imperial Stout um pouco trabalhosa de fazer, já que depende de uma grande quantidade de insumos utilizados, além da longa maturação, resultou na melhor cerveja caseira que experimentei em 2012, digna de ter se consagrado como a campeã. Falei um pouco dela e do respectivo festival nessa postagem:


Blackoutstout - Russian Imperial Stout - 8,5% ABV
Foto: Cazé Napier


Como membro da ACervA sempre tenho o privilégio de provar as cervejas feitas pelo Cazé, que teve seu primeiro contato com o mundo cervejeiro quando morou nos Estados Unidos – ele também é cidadão americano – sendo a Samuel Adams sua porta de entrada. Apesar de ter acompanhado algumas brassagens por lá, só quando retornou ao Brasil, após fazer o curso com o Leonardo Botto, que começou a produzir suas cervejas. Ele geralmente brassa sozinho comandando a sua Cervejaria Feelingporra!!!, batizada com esse nome após seu emocionante e famoso discurso de premiação ano passado.

Para fazer a Dizzy Walker ele seguiu uma receita padrão de Wee Heavy usando como guia o BJCP. Adicionou lascas de carvalho embebidas em uísque Johnnie Walker e, nas suas próprias palavras: o resto foi feeling!

Cor marrom escuro e fechada. Reflexo vermelho contra a luz. Espuma média a baixa, levemente bronzeada, aerada e borbulhante (sonoramente também). Retenção média a baixa. Quando estagnou fixou meio dedo de espessura. Aroma complexo, mas com calma foi possível pincelar todas sensações. Mix de ésteres de frutas escuras e secas (ameixas e tâmaras), e de maltado de sementes comestíveis (nozes e avelãs). Abaixo dessa manta veio abacaxi e guaraná. Um nível mais abaixo, o lençol de caramelado suculento, sensível chocolate ao leite e névoa defumada de fumaça, tabaco. Complementar veio a madeira, baunilha e o fim alcoólico. Esquentou e ficou a secura de noz e algodão doce. Gosto frutado e torrado. Torra esfumaçada com frutas secas e pretas. Dulçor proeminente e fumaça presa na garganta, tragada. Álcool acompanhou, aqueceu como talagada de destilado. Dulçor pediu licença, o álcool ceifou. Adstringência e acidez residual. Sensação acre de sorver vinho do Porto. Complexidade no gosto. Tâmaras e passas, suculentas e vivas. Mais torrado esfumaçado. Do álcool, provavelmente, mais frutas, as vermelhas. Bombom com licor (?). Corpo alto, cheio e grosso, textura quase licorosa. Carbonatação baixa, pouco aparente. Final longo e alcoólico. Retrogosto de álcool quente, toque adstringente repuxou e esfumaçado finalizou. Wee Heavy para consumir com calma, acompanhando sua complexidade prazerosamente. Alcoólica, potente, agressiva e também charmosa, acalentadora, convidativa.

Dizzy Walker - Strong Scotch Ale/Wee Heavy -  11% ABV


O grande campeão Douglas Giacomini produz cervejas em casa desde o ano de 2011. Oficializou sua atividade como cervejaria no ano seguinte e somente há um mês atrás que a batizou de Cervejaria Brassada. Sua ideia atual é criar uma identidade visual e tão logo aparecer no mercado cervejeiro com suas produções. Só o fato de ter se sagrado campeão do concurso já será uma excelente propaganda para suas cervejas e fica aqui registrada a minha torcida para que também consiga um bom resultado no concurso do 8º Encontro Nacional das ACervAs, onde ele estará participando com 5 cervejas.

Cervejaria Brassada


Para criar a Forth River foram usados 8 tipos de maltes, 2 tipos de lúpulos e fermento Nottingham. Gostei muito do resultado, principalmente do bom equilíbrio que ela ficou. É uma cerveja forte, mas ao mesmo tempo fácil de beber sem ficar enjoativa devido um possível teor alcoólico e/ou dulçor exagerados:

Cor castanho escuro, mogno, fechada e poucos reflexos vermelhos na luz. Espuma bege, cremosa, criação média a alta, estável. Fixou um dedo de grossura. Aroma com malte em destaque. Extraiu dulçor de calda caramelada, doce de leite, açúcar de cana e rapadura no fim. Nenhum álcool. Amendoim torrado quando esquentou. Volatizou. Frutas vermelhas e silvestres deram sensação licorosa. Leve biscoito waffer no fim. Paladar com ésteres frutados de ameixas secas, passas e figos. Suco de uva. Após o caramelado e melaço, uma colcha macia de álcool presa na garganta, mas bem inserida valorizou o conjunto. Esquentou o corpo. Frutado mais álcool resultou em leve xarope e licor de cerejas. No fundo um pouco de nozes. Corpo cheio e pomposo, mas não pesado. Carbonatação média, pouco aparente. Wee Heavy frutada de dulçor equilibrado. Este foi seu tom, sem extremismos e fácil de encarar.


Forth River - Strong Scotch Ale/Wee Heavy -  7,5% ABV

Enquanto o segundo concurso da Cervejoteca não ocorre, vale lembrar do VIII Encontro Nacional das ACervAs, evento que ocorre anualmente sempre em rodízio pelas principais capitais do país. Em 2013 será realizado em Curitiba no período de 30 de maio a 1o. de junho. Dentro do evento serão premiadas as cervejas caseiras feitas pelos acervianos, dos seguintes estilos escolhidos: Saison, Robust Porter, Vienna Lager, American Amber Ale e Estilo Livre com ingrediente brasileiro. Até o momento quase 420 garrafas foram inscritas, garantia de muita cerveja boa feita na panela por todo o Brasil. Vamos acompanhar, prestigiar, beber e comemorar!

Flyer do VIII Encontro Nacional das ACervAs

sábado, 25 de maio de 2013

AGENDA D'A PERUA: FINAL DE MAIO

Atualização da agenda cervejeira com eventos realizados no fim do mês de maio:

27/05 – DEGUSTAÇÃO DE GREEN FLASH
O sommelier de cervejas José Raimundo Padilha vem apresentar degustação horizontal dos rótulos da cervejaria californiana Green Flash. Cervejas artesanais inspiradas na Escola Belga, mas com ingredientes e inventividade americana. A degustação inclui, além dos cinco rótulos da americana, coquetel de boas vindas com cestas de pães, pastas, tábua de queijos e frios. O evento se inicia às 20h e o investimento custa R$ 99,90. A realização é da Delirium Akademie, espaço de estudos cervejeiros do Delirium Café, localizado na Rua Barão da Torre, 183, Ipanema, Rio de Janeiro/RJ. A participação pode ser adquirida pelo link http://www.deliriumcafe.com.br/akademie/index.html




28/05 – DEGUSTAÇÃO DE CERVEJAS DA ESCOLA INGLESA
A loja física e virtual especializada na venda de cervejas especiais, Cerveja Social Clube, vai realizar no dia 28 uma degustação de cinco rótulos de cervejas inspiradas na Escola Inglesa. A cargo de Tiago Dardeau, da Confraria do Marquês, será explicado aos presentes os métodos de fabricação e as diferenças entre os estilos das cervejas. O investimento é de R$ 60, com limite de até nove alunos, a fim de proporcionar conforto já que o espaço da loja é pequeno, início previsto às 19h30 e com duração de até uma hora e meia de evento. O CSC fica na Rua Barão de Mesquita, 141, loja C, Tijuca, Rio de Janeiro/RJ, e a entrada do evento pode ser comprada na loja virtual pelo link http://cervejasocialclube.com.br/eventos/581-degustacao-28-05-2013.html




30/05 a 01/06 – 8º ENCONTRO NACIONAL DAS ACERVAS

De 30 de maio até 1º de junho Curitiba sediará o 8º Encontro Nacional das ACervAs. Encontro que todo ano sofre rodízio entre as principais capitais do país, esse ano a responsável pela realização é a ACervA Paranaense. O evento procura unir os cervejeiros artesanais, principalmente os caseiros, mas também visa apresentar esse mundo a iniciantes e todos interessados do meio. Nos dias 30 e 31 de maio o encontro vai promover feira voltada à produção artesanal, palestras e workshops, profissionais do setor e confraternização dos acervianos. A realização será no Mabu Parque Resort, Rua Manoel Valdomiro de Macedo, 2609, Curitiba/PR. Na programação paralela terá visitação às cervejarias e bares da região, jantar temático e passeio de trem. Mas a atração principal será a premiação das cervejas caseiras enviadas por todos os acervianos do Brasil – até o momento já foram 420 garrafas inscritas – que estarão concorrendo nos seguintes estilos: Saison, Robust Porter, Vienna Lager, American Amber Ale e Estilo Livre com ingrediente brasileiro. Avaliadas por jurados durante os dias 30 e 31 de maio, a festa de premiação será realizada no último dia do encontro, 1º de junho, na cervejaria Way Beer, que fica na Rua Pérola, 331, Pinhais, Curitiba/PR. A festa vai contar com várias atrações musicais, gastronomia e muita cerveja artesanal e caseira servidas. Todos os eventos podem ser conferidos e reservados no site da festa. Vale citar que membros da ACervA tem descontos nos preços. http://concurso.acervapr.com.br/wp/



sábado, 11 de maio de 2013

MÃE, QUE CERVEJA VOCÊ É?

“Dedicated to the Mom in each of us”. Com essa frase estampada nos rótulos da Mom Hefeweizen, a cervejaria americana Rogue se inspirou nas mães de e em cada um de nós na criação de uma cerveja leve e refrescante influenciada pelo estilo Belgian Blond Ale. Essa releitura, que na verdade resultou numa cerveja do estilo American Wheat, recebe maltes de cevada e trigo na sua receita, e possui duas versões engarrafadas com receitas que se diferem uma da outra. A diferença principal é que uma recebe infusão de mel e pétalas de rosa da cidade de Eugene, Oregon, e a outra é temperada com gengibre e coentro.



Ambas as versões estão disponíveis no Brasil e abaixo é possível perceber as diferenças e nuances das cervejas Rogue Mom Hefeweizen:

A versão com pétalas de rosa e mel apresentou cor dourada, totalmente límpida – possibilidade de enxergar do outro lado com plena clareza –, brilhante e com grande quantidade de variados tamanhos de bolhas em subida, bem carbonatada. A espuma de cor alva veio com alta criação e boa retenção, aspecto aerado, granuloso, que desceu sem pressa e sujou com alguma poeira os lados do copo. Seu aroma veio com os maltes em primeiro plano de intensidade mediana. Notas de biscoito do tipo água-e-sal e panificação. Aromas doces de açúcares e cereais.  Uma leve percepção floral e nenhum cheiro de pétalas de rosas. Leve cheiro de fermento e alguma percepção fenólica (cheiro de consultório de dentista, cravo). Sem esterificação de frutas e um muito longínquo tutti-frutti. Off flavor medicinal (?). O paladar veio com notas doces dos maltes, de intensidade bem presente e um pouco destoante. Sabor de mel, pão doce, açúcar, palha e cereais. Toques de pão e biscoito. Quase nenhum amargor e lupulagem foram sentidos, apenas um leve e sugestionado floral. Novamente não foram sentidas as pétalas de rosas. O corpo é baixíssimo e muito leve como uma refrescante cerveja de massa. A carbonatação foi média-alta, bem presente e um pouco borbulhante, com fim levemente crocante. O final do gole foi longo e doce de açúcar/cereal. Retrogosto de finalização seca. A cerveja tinha poucos traços de Cerveja de Trigo, bem nula e extremamente leve. Seu principal atributo propagandeado na rotulagem, as pétalas de rosas, apareceram apenas com um tímido floral.

Rogue Mom Hefeweizen - American Wheat - 5% ABV 


A versão com coentro e gengibre veio com uma coloração amarelada bem rala, quase esbranquiçada, amplamente transparente (depois de despejar o líquido no copo pela segunda vez ela ficou turva) e com grande subida de bolhas. Sua espuma de cor branca teve uma formação mediana, com aspecto fofo e aerado, bolhas disformes e que teve uma mediana resistência que quando caiu deixou uma fina película. O aroma evocou notas cítricas e condimentadas lembrando uma Witbier tradicional. Cheiro de casca de laranja e limão siciliano, notas azedas, salgadas e cítricas, resultando num desfecho quase acre. Dulçores de açúcar, pão doce e sonho. O cheiro de fermento foi bem latente e risível, que contribuiu por evocar notas fenólicas de especiarias, com aromas de cravo, canela e gengibre. Um tempero de ervas e menta, oriundos da semente de coentro e que atraiu também toques de capim. Mais ao fundo volatizou notas de pimentas com breve picante. O domínio final ficou com o doce de casca de laranja cheio de especiarias. O gosto deu um tom similar ao já advindo no cheiro, com a mesma carga inicial das especiarias, e ainda algum amargor inicial e picante advindos destas, e notas cítricas de casca de laranja e limão. O doce ficou pelas notas doces de açúcar, panificação e pela esterificação de frutas, com um pouquinho de banana. A acidez foi característica, assim como um tom salgado que em conjunto repuxavam a boca. O corpo dela foi leve, bem suave e refrescante. Sua carbonatação veio alta, com borbulhas e notas frisantes, pinicando a língua. O final dela foi seco e doce-amargo que no retrogosto perdurou algo verde na garganta. Idêntica à clássica belga Witbier.

Rogue Mom Hefeweizen - American Wheat -  5,2% ABV


As cervejas Rogue Mom Hefeweizen possuem como característica principal, além da refrescância e leveza, a delicadeza, assim como nossas adoradas e delicadas mães. Se bem que tem horas que nossas mães são bastante amargas e secas conosco, muito parecidas com uma extremamente lupulada Imperial IPA. Ou muitas vezes são difíceis de aturar e intragáveis de descer, como uma alcoólica Malt Liquor. E também tem momentos que nos dão muita dor de cabeça, parecidíssimas com aquela ressaca do dia seguinte das American Adjunct Lager. Mas também são muito complexas como uma Strong Dark Ale e sempre nos surpreendem com sua sabedoria e experiência, como uma Barleywine inglesa envelhecida. 

Mãe, que cerveja você é?
-
Imagem: THE VERY MANY VARIETIES OF BEER - Ben Gibson, Patrick Mulligan (Pop Chart Lab), Taschen

Cervejas são mais parecidas com nossas mães do que imaginamos. Com mais de 120 personalidades diferentes, a certeza absoluta é que nós sempre as amaremos, seja do estilo que for.

quinta-feira, 2 de maio de 2013

AGENDA D'A PERUA: INÍCIO DE MAIO


A Perua vem atualizar sua agenda cervejeira com eventos do início do mês de maio a serem realizados nas cidades do Rio, Niterói, São Paulo e Belo Horizonte:

04/05 – CURSO DE PRODUÇÃO DE CERVEJAS CASEIRAS
O cervejeiro artesanal Marcelão DuLeblon vem apresentar o curso de produção de cervejas para aqueles que querem aprender a fazer sua cerveja em casa. Realizado na Adega do Pimenta, localizado na Praça Tiradentes, 6, Centro, Rio de janeiro/RJ, no curso estão inclusos frios e feijoada alemã, além de cervejas da Amazon Beer. A previsão de duração é das 11h às 19h, cada participante terá direito a apostila e certificado de participação, e o investimento é de R$ 350 por pessoa, limitado a 20 alunos.



04/05 – CONHECENDO CERVEJAS ESPECIAIS - COMO DEGUSTAR 
O Bistrô Estação R&R, o primeiro bistrô de cervejas especiais do Complexo do Alemão, comunidade do Rio de Janeiro já pacificada, vem apresentar o evento Conhecendo Cervejas Especiais - Como Degustar. Com a presença da beer sommelier Bárbara Cunha, o evento começará às 18h e para quem quiser ouvir um pouco de MPB, esta ficará a cargo de Nanny Fonseca, a partir das 17h30. Para garantir o convite basta enviar e-mail para bistro.estacao.rer@gmail.com. O bistrô fica localizado na Travessa Jalisco, 32, Loteamento da Nova Brasília, Complexo do Alemão, Rio de Janeiro/RJ.




04/05 – JANTAR HARMONIZADO COM RECEITAS DE GORDON RAMSAY
O site Brejada vem apresentar o evento de harmonização de cervejas com receitas inspiradas nos menus do famoso chef de cozinha inglês, Gordon Ramsay. Dividido em entrada, prato principal e sobremesa, cada prato será harmonizado com cervejas de variados estilos. Com investimento de R$ 60 por pessoa o evento está marcado para começar às 20h no Restaurante Delicacy, localizado à Rua Dr. Rafael de Barros, 198, Paraíso, São Paulo/SP.



05/05 – 1ª BRASSAGEM PÚBLICA DA WHITE HOUSE HONEY ALE
A ACervA Carioca – Regional Niterói, vem realizar no Empório Carlsson a brassagem pública da cerveja criada ano passado na Casa Branca pela equipe do presidente americano Barack Obama, a White House Honey Ale. Uma adaptação da receita original, que foi usado extrato de malte, o evento é aberto a todos e quem quiser pode contribuir com 1 kg de alimento não perecível a ser destinado para instituições de caridade. Quem quiser também poderá adquirir kits do evento contendo camisa, caneca com 1 chope Coruja Extra Viva e ainda concorrer a kits da 2Cabeças. Os kits do evento podem ser adquiridos no site likebeer.com.br e custam R$ 50 (o 1º lote até 03/05) ou R$ 45 para os associados da ACervA. Além de ver ao vivo uma produção de cerveja caseira os presentes também poderão acompanhar mini-palestras onde serão abordados vários temas cervejeiros. A previsão de início é às 11h com duração até à noite e o empório está localizado na Av. Quintino Bocaiúva, 325, loja 117, Shopping Lido Center, São Francisco, Niterói/RJ.



05/05 – FESTA 30 ANOS STADT JEVER
O Stadt Jever, pub mineiro especializado em culinária alemã, de propriedade da família cervejeira Wäls, vem comemorar seus 30 anos de tradição na festa realizada no próprio bar, regada a muito rock’n roll e contando com a mesa mais farta de comida ao estilo Bávaro liberada para consumo. A entrada custa R$ 30, preço da camisa do evento, com limitação de 300 camisas sem a possibilidade de aumentar esse número. Bebidas e comidas do cardápio não estão inclusas. A previsão do início da comemoração é às 13h e término às 22h, e o pub fica localizado na Av. Contorno, 5771, Carmo, Belo Horizonte/MG.




06/05, 20/05, 03/06 e 17/06 – CURSO CONHECEDOR DE CERVEJA
O sommelier de cervejas José Raimundo Padilha vem apresentar a 3ª turma do curso de nível básico, Conhecedor de Cerveja, realizado na Delirium Akademie, espaço de estudos do Delirium Café, filial carioca do famoso bar belga, localizado na Rua Barão da Torre, 183, Ipanema, Rio de Janeiro. Dividido em quatro módulos quinzenais, as aulas começam em maio e terminam em junho, sempre às segundas e às 20h, com carga horária de 12h e investimento de R$ 400 à vista ou parcelado. Degustando e analisando estilos básicos de alguns países, nos módulos também serão abordados variados temas ligados a cultura cervejeira.