Páginas

segunda-feira, 6 de abril de 2015

BOTTO BAR Nº 2 – India Pale Lager para comemorar dois anos do melhor chope do Rio

Botto Bar nº 2 é o nome da nova cerveja criada pelo Leonardo Botto especialmente para as comemorações de dois anos do Botto BarRua Barão de Iguatemi, 205, Praça da Bandeira, Rio de Janeiro. A escolha dessa vez foi por uma India Pale Lager, um novo tipo de cerveja que ainda não foi definida por guia de estilos, mas que já está sendo recriado por muitas cervejarias. A cerveja foi fabricada na Cervejaria Antuérpia, localizada em Juiz de Fora, Minas Gerais – a do ano passado, edição de um ano de bar, foi feita no Penedon Brew Pub.



A cerveja será servida ao público nesta terça-feira, 07/04. Imagens dela já foram divulgadas nas redes sociais, assim como a receita completa para os cervejeiros que quiserem recriar a cerveja. O Botto não tem ciúme de suas receitas. O próprio sempre compartilhou publicamente como criou algumas de suas cervejas, inclusive as premiadas em concursos. Ele acha que não tem o menor valor uma receita desacompanhada de quem a faz e a melhor receita a ser feita será sempre a próxima. Não que ele não tenha um sentimento de conquista ou posse. Mas a competição, se existir, é consigo próprio, a fim dele sempre criar a melhor receita possível. E o seu apego não é com as receitas, mas com as cervejas que criou. Elas são as suas vitórias que o deixam com a sensação de dever cumprido.

foto: Leonardo Botto


A Botto Bar nº 2 recebeu flocos de aveia na receita, a fim de ajudar na retenção da espuma. Ela não recebeu malte caramelo, que seria mais comum numa IPA, por exemplo. A levedura usada foi a mesma cepa da tcheca Pilsner Urquell, a primeira Pilsen do mundo. E por ser uma Lager, ela não apresentou aromas de fermentação comuns em uma Ale. Aqui o que destacou mais foram os maltes e principalmente a lupulagem, graças ao duplo dry hopping na qual a cerveja passou. O resultado foi um teor alcoólico de 5,1% e 41 IBUs (unidades de amargor). Ela também foi filtrada, o que deixou a cerveja límpida e brilhante. E para quem quiser recriar a cerveja, abaixo segue a receita completa para 24 litros e com 80% de rendimento:

2,5 kg de malte Pilsen (Agrária);
2 kg de Munich II (Weyermann);
0,2 kg de Melanoidina (Weyermann);
0,5 kg de aveia em flocos;
15 litros de água para a brassagem e 18 para a lavagem do bagaço. Maltes arriados a 50˚C, repouso de 10 minutos em 52˚C e depois subida até 66/67˚, repousando nesta temperatura por 50 minutos; depois nova subida para 69/70˚ e repouso por 30 minutos. Depois mash out.
Fervura intensa em 70 minutos. 23g de Magnum (12,9% a.a.) de First Worth Hopping; 30g de Amarillo (8,2% a.a.) a 5 minutos e outros 30g de Amarillo no término da fervura.
Cepa da Pilsner Urquell by Bio4.
No término da fermentação o primeiro dry hopping com 50g de Amarillo, e 4 dias do final da maturação o segundo dry hopping, desta vez com 14g de Amarillo e 24 de Falconer's Flight.

Além de excelente cervejeiro, o Leonardo Botto também é conhecido pelo cuidado que tem com os chopes servidos no seu bar, que são sempre acondicionados em câmara fria. As mangueiras de conexão são sempre trocadas e as torneiras passam por constante higienização. O título de melhor chope do Rio não é à toa, quem já bebeu a mesma cerveja em bares diferentes, sabe que a do Botto Bar tem um diferencial. Torço para que o carinho que ele tem com o nosso chopinho do dia-a-dia sirva de exemplo para todos os bares, não apenas do Rio, mas de todo o Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário